Megaferrovia que liga o Atlântico ao Pacífico entra no plano de Dilma

Brasil, Peru e China preparam um acordo preliminar para construir uma megaferrovia que ligaria os dois países sul-americanos, criando um corredor de trilhos entre o pacífico. Na semana que vem, o primeiro ministro chinês Li Keqiang desembarca em brasília para fechar parcerias com o Palácio do Planalto.  Já foi assinado um memorando de entendimento nesse sentido, o próximo passo agora é avançar um pouco mais e tentar fechar cronogramas de realizações e estudos técnicos.

Estimada em R$ 30 bilhões, a obra consiste em incluir trechos da ferrovia transoceânica no plano de investimento da Presidente Dilma, que deverá ser anunciado no fim do mês. A nova fase de concessões será, ao contrário de 2012, por outorga onerosa, ou seja, ganha quem der o maior lance. A ideia é que algumas empresas asiáticas participem dos futuros leilões para levar alguns trechos do pacote.

A china depende dos produtos agrícolas brasileiros, mas quer uma alternativa ao canal do Panamá, sob influência dos EUA. A necessidade de uma rota concorrente, então, foi um dos fatores que levantaram o interesse dos chineses pelo pacote de concessões ferroviárias.

De acordo com o desenho original, a transocêanica começa no Rio de Janeiro, passa por MG, GO, MT, RO e AC, e de lá, segue pro Peru, abrindo uma saída estratégica para os produtos pelo Pacífico.

/Reprodução: Folha

/Reprodução: Folha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apesar de todo o entusiasmo para com um empreendedorismo que mudaria o mapa do sistema logístico internacional permitindo um sistema mais competitivo, a construção da obra encontra forte ressalvas pelo alto custo para cortar a cordilheira dos Andes.

Fonte: Folha.uol

2015-05-19T11:13:30+00:0019/05/2015 às 11:13|Notícias, Strada Express|