Apenas alguns anos na situação atual do Planeta serão necessários para um colapso no equilíbrio do mesmo, segundo dados divulgados pelas Nações Unidas. No intuito de impedir o alto aquecimento global, energias renováveis terão de passar dos atuais 30% para 80% até 2050 (praticamente nos próximos 35 anos).

O IPCC, sigla em inglês para Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, divulgado no início de novembro, em Copenhagen, na Dinamarca, apresenta este como um passo fundamental para evitar qualquer alteração ameaçadora do clima. Se tal medida não for tomada, poderemos sofrer “severos, generalizados e irreversíveis“ danos, conforme cita, recomendando que a produção de energia elétrica seja garantida diante de fontes com baixa emissão de carbono.

O documento também defende a redução de emissores no intuito de limitar o aquecimento global a dois graus centígrados (limite estabelecido em 2009, e que obriga a transferência dos atuais 30% de energias renováveis para a proporção de 80% para o setor até o ano de 2050).

“Temos os meios para limitar as alterações climáticas. As soluções são várias e permitem manter o desenvolvimento econômico e humano. Tudo o que precisamos é de vontade de mudar e confiamos que essa vontade seja incentivada pelo conhecimento e compreensão da ciência das alterações climáticas”, afirmou o presidente do IPCC R. K. Pachauri.

“A ciência falou”, disse o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon, reagindo à divulgação do relatório. “Não há qualquer ambiguidade na sua mensagem. Os líderes têm de agir. O tempo não está do nosso lado”.

De acordo com um relatório, publicado já em 2007, há 95% de certeza científica que as alterações climáticas vêm sendo causadas por atividades humanas. Isto faz com que seja essencial que as nações concordem em reduzir suas emissões de gases do efeito estufa e que se ponham no rumo de uma economia de baixo carbono.

Neste sentido, muito mais do que uma simples preocupação com a concentração de gases do efeito estufa que ultrapassa padrões históricos, o documento é um alerta que soou para toda a humanidade para a urgência da situação.