Investimentos em logística só reduzirão custos daqui a 3 anos

Depois do lançamento do segundo plano de concessões na área de infraestrutura, lançado pela Presidente Dilma Rouseff no início do mês de junho, o diretor executivo do Movimento Pró-logístico, Edeon Vaz Ferreira, calcula que a redução de custos do agricultor do Centro-oeste só deve chegar daqui a três anos.

A redução de custos, segundo ele, ocorrerá através da redução do frete. “À medida que os portos que estão em construção forem concluídos, o reflexo positivo vai aumentando. Já temos as operações da Bunge e ADM [Archer Daniels Midland] ampliando capacidade, e com a finalização das obras na rodovia BR-163, o produtor começa a ver a redução de custo”, diz o executivo.

O plano aprovado pela presidente, trouxe soluções emergenciais às ferrovias, rodovias, portos e aeroportos, mas deixou de lado as hidrovias, que respondem por 9% do transporte da safra de grãos.

“O governo percebeu que o transporte é fundamental para destravar os problemas produtivos, mas cabe lembrar que o programa aponta concessões para que a iniciativa privada faça o investimento. Onde as companhias não forem atuar, esperamos que venham aportes públicos, como para a navegação interna que ficou esquecida até o momento. Sem isso, continuaremos com o gargalo logístico”, avalia a coordenadora de economia da CNT, Priscila Santiago.

Fonte: DCI

2015-06-17T13:00:53+00:0017/06/2015 às 13:00|Notícias, Strada Express|