Como conseguir melhores resultados com Gestão de Frotas

A gestão de frotas é uma atividade crucial das empresas de transporte e das empresas que entregam seu próprios produtos. Uma gestão de frotas adequada garante a otimização de custos de funcionamento, a maximização dos rendimentos e a satisfação dos clientes em receber os produtos no prazo estipulado. Administrar o transporte envolve tomada de decisões sobre um conjunto de aspectos.

Gestão de Frotas

Decisões Estratégicas e Operacionais

As decisões estratégicas são aquelas de longo prazo e se referem basicamente a aspectos estruturais. São basicamente 4 (quatro) decisões estratégicas do transporte: escolha de modais, decisões sobre propriedade da frota, seleção e negociação de transportadores e, política de consolidação de cargas.

Existem  5 (cinco) tipos de modais de transporte de carga, que são: Aéreo, Dutoviário, Ferroviário, Rodoviário e Marítimo.

Já as decisões de curto prazo se referem em tarefas usadas do dia-a-dia. Dentro das principais decisões de curto prazo, podemos destacar: Planejamento de embarque, Programação de veículos, Roteirização, Auditoria de frete, e Gerenciamento de Avarias.

Segundo o autor Fleury são cinco as dimensões mais importantes, no que diz respeito às características dos serviços oferecidos como:

  • Velocidade;
  • Consistência;
  • Capacitação;
  • Disponibilidade;
  • Frequência.

Velocidade

Em termos de velocidade o modal aéreo é o mais rápido, seguido pelo rodoviário, ferroviário, aquaviário e dutoviário. No entanto, considerando que a velocidade deve levar em consideração o tempo gasto na operação porta-a-porta, esta vantagem do aéreo só ocorre para distâncias médias e grandes devido ao tempo de coleta e de entrega que precisam ser computados, ou seja, quanto maior a distância percorrida maior a vantagem do aéreo em termos de velocidade.

Consistência

A consistência é a capacidade de cumprir com os tempos previstos, tendo a essa dimensão modal dutoviário como a melhor opção.

Por não ser afetado pelas condições climáticas ou de congestionamento o dutoviário apresenta uma alta consistência seguida na ordem do rodoviário, ferroviário, aquaviário e aéreo.

Capacitação, Disponibilidade e Frequência

Refere-se à possibilidade de um determinado modal trabalhar com diferentes volumes e variedades de produtos. Nesta dimensão o destaque de desempenho é do aquaviário que praticamente  não tem limite com o tipo de produto que pode transportar.

Assim o volume que pode atingir centenas e milhares de toneladas. O dutoviário e o aéreo apresentam sérias restrições em relação a esta dimensão. O dutoviário é muito limitado em termos de produtos, pois só trabalha com líquido e gases. E o aéreo possui limitações em termos de volume e tipos de produtos.

A dimensão de disponibilidade se refere ao número de localidades onde o modal se encontra presente. Neste aspecto quem se destaca é o modal rodoviário se destaca por não ter limites de onde pode chegar.

Quanto à frequência , ou seja, o número de vezes em que o modal pode ser utilizado em dado um horizonte  de tempo, o dutoviário é o que apresenta o melhor desempenho. O mesmo trabalha vinte e quatro (24) horas por dia e sete (7) dias por semana. Segue pela ordem de desempenho, o rodoviário, ferroviário, aéreo e hidroviário.

A baixa frequência do hidroviário resulta dos grandes volumes desenvolvidos na operação, o que obriga trabalhar com o cargo consolidada diminuindo desta maneira  a frequência.

Bônus de Gestão de Frotas

Outra decisão estratégica que a gestão de frotas deve tomar é a utilização ou não de frota própria, para isto fizemos um e-book exclusivo tratando do assunto que você pode conferir clicando aqui.

No processo decisório da decisão entre terceirizar a frota ou não deve ser considerado ainda o custo da qualidade do serviço a rentabilidade financeira das alternativas. Uma série de características da operação e do setor também contribui para o processo decisório de propriedade da frota.

Dentre essas se destacam: o tamanho da operações, a competência gerencial interna, a competência e competitividade do setor. Quanto maior o desempenho da operação de transporte maior a possibilidade de   reutilização de frota própria seja mais atraente do que a utilização de terceiros, pois a empresa terá mais oportunidade de redução de custos.

Conclusão

Tem sido uma constante a sofisticação da operação de transportes, tornando imprescindível a capacitação interna para planejar, operar e controlar as frotas.

Nada adianta ser grande e ter recursos, se a organização não possui a capacitação interna para dirigir de forma eficaz e eficiente sua operação de transporte e não estar preparado para desenvolvê-la internamente.

Caso decida utilizar frota própria, o gestor deve analisar e se possível utilizar o rastreador veicular ou mobile para o gerenciamento da frota, pois isto facilitará e simplificará a gestão de frotas permitindo ainda uma melhoria nos níveis de serviços (prazos de entregas) oferecidos aos clientes.

Esperamos que este artigo tenha sido útil. Obtenha agora mesmo o e-Book sobre frota própria ou terceira: qual a operação mais rentável.

e-book gratuito

Custos com estadias de fretes?

Veja como Resolver

2017-05-16T15:21:37+00:0016/05/2017 às 14:56|Desafios da Logística, Notícias, Soluções, Universo Strada|