Nós já sabemos, pelos dois textos anteriores aqui do Blog, que o e-commerce no Brasil tem se consolidado como uma das formas mais importantes de compra da nossa sociedade. E, sabemos que as empresas que são especializadas em transporte e logística precisam estar atentas e preparadas para atingir sucesso nessa nova área.

Continuando o tema trabalhado, e em como as empresas podem estar preparadas para esta está nova oportunidade para o setor, o tema que abordaremos será um método de gestão que pode ser eficiente e que pode agilizar o processo de tomada de decisão em transportes, é a Torre de Controle.

Esta metodologia recebe este nome pois sua forma de funcionalidade se assimila as torres de controles dos aviões em que as informações são recebidas em tempo real e que controla o trafego aéreo, e esta realidade pode ser adaptada a realidade do transporte de cargas no comércio eletrônico.

Esta metodologia fornece à toda a equipe informações em tempo real de forma rápida, integrando os três níveis de decisão, que já comentamos no post anterior, o nível operacional, tático e estratégico. E, ainda permite que ocorra o monitoramento de váriaveis-chave da operação, assim, garante que alterações significativas em indicadores de alta e média sejam rapidamente identificadas e corrigidas.

E, para que ocorra o perfeito funcionamento da Torre de Controle, é necessário que as funções e os papéis desempenhados por gerentes ou coordenadores, analistas e assistentes de transporte, sejam claramente definidos.

Nesse contexto, cada um desempenha funções diferentes:

Cabe ao Gerente de Logística ou de Transporte o planejamento estratégico das operações, a disponibilização de meios para a execução do trabalho e a realização de metas da empresa. É ele quem irá definir as políticas de gestão de transportes e nível de serviço. Também faz parte da sua função gerir a equipe, a sua performance operacional por meio do uso de indicadores de desempenho e o desenvolvimento de ações preventivas e corretivas.

Estas funções estão ligadas as questões táticas, que vimos no texto anterior a forma como elas devem ser elaboradas, portanto, é necessário que o Gerente de Transporte ou de Logística esteja atendo e conheça completamente estas questões, para poder elaborar um bom planejamento estratégico, por exemplo.

A função do analista pode ser dividia em dois papéis, temos o Analista de Projeto e o Analista de Transportes. O Analista de Projeto é responsável pela melhoria contínua na operação, principalmente, em projetos internos ou soluções que envolvam fornecedores e clientes. E, os Analistas de Transportes estão envolvidos com a contratação e a administração de parceiros, cotação de fretes regulares e eventuais, o planejamento de embarques,  a otimização da capacidade de carga disponível, a roterização da entrega e alocação de veículos e tripulação. Esses papéis são responsáveis pela execução das atividades que estão previstas nos planos de projetos e nas operações, definidas pelo gerente. Veja que a conexão entre o Planejamento Estratégico, os planos táticos de projeto e as operações fica mais clara por meio dos papéis.

E ainda para auxiliar a equipe nas operações existe o papel do Assistente de Transportes, que são encarregados do registro de dados em sistemas informatizados ou em planilhas paralelas, monitoramentos dos veículos, além de ser o apoio dos motoristas em viagem e responsáveis pelo acerto de contas com os motoristas.

A partir destas funções bem definidas, e todos os colaboradores, trabalhando alinhados dentro de cada uma, a visibilidade das informações e a agilidade destas será muito mais eficiente.

E, aplicando isto dentro da logística voltada para o e-commerce é necessário, desde o princípio, dimensionar a operação logística ao seu propósito de oferecer informação em tempo real, para assim, poder atuar em tempo real, e desta forma reverter possíveis efeitos indesejados o mais rápido possível, evitando retrabalho e gastos com logística reversa.

Para as equipes, o suporte da tecnologia é fundamental para gerenciar melhor as informações e automatizar processos.Nesse contexto, o TMS Strada pode ser utilizado para dar suporte nas operações,, sendo um software inteligente que permite um maior controle sobre os veículos, garantindo a análise de custos, como de pneus, as melhores peças para os caminhões e ainda monitorar a frota de forma eficiente possibilitando uma tomada de decisões mais precisa e efetiva.

Paralelo com o uso do TMS, o Qlik View é uma inovadora ferramenta que fornece uma direção para as empresas com base em tendências de dados e uma visão analítica extremamente eficaz do negócio, fornecendo o embasamento de controle de indicadores para o time. A ferramenta age de forma colaborativa, em um único lugar de forma rápida e intuitiva. Trabalha com os dados que você já têm e cria um amplo conjunto de novas capacidades em BI. A partir dessas informações, traz um novo nível de análise fornecendo dados da gestão para os operadores e gerentes controlarem melhor os indicadores..Desta forma, é possível criar uma nova percepção e valor para os dados existentes, oferecendo aos usuários interfaces limpas, simples e diretas para a criação de dashboards e acompanhamento em tempo real.