Como a logística pode sanar deficiências e alavancar ainda mais o agronegócio brasileiro

É certo que o Brasil possui uma extensão territorial favorável a agricultura. Conta com uma das maiores áreas agricultáveis do planeta e com recursos naturais que potencializam as suas vantagens para a produção agrícola e animal . Essa disponibilidade reduz custos e orienta a estrutura produtiva brasileira na organização e ocupação espacial do território.

E, nas últimas duas décadas, a agricultura passou a figurar ainda mais entre os setores econômicos mais estratégicos para a consolidação do programa de estabilização econômica. É a responsável por uma parte considerável do PIB do país, contribuindo para o controle da inflação, evidenciando, assim, a sua importância para impulsionar o desempenho da economia.

A expansão do agronegócio tem sido marcante na sociedade brasileira, caracterizando-se por cadeias produtivas cada vez mais integradas e pelo uso intensivo de capital nos diversos segmentos que o compõe. Dessa forma, a agricultura, pensada como agronegócio, envolve os processos de produção agropecuária, logística e comercialização, além da agroindústria e dos serviços agroindustriais.

Desta forma, o escoamento da safra brasileira se apresenta como um fator fundamental que afeta o agronegócio, alterando substancialmente a sua comercialização, a formação de preços e a própria competitividade do setor.

Portanto, a logística precisa ser eficiente para garantir o sucesso do agronegócio no Brasil. Assim, infraestrutura logística deve ter a capacidade de movimentar e armazenar toda a produção agrícola nacional e, ainda, disponibilizar sistemas para os produtos importados para atender satisfatoriamente à demanda interna. Cabe ainda destacar que, no caso brasileiro, os custos logísticos constituem um componente relevante dos preços finais dos produtos, em função da dispersão espacial da produção, da distribuição do mercado interno e das longas distâncias envolvidas no comércio intra e inter-regional. Desta forma, a melhoria na oferta de serviços logísticos certamente aumentaria a competitividade dos diversos segmentos econômicos, uma condição necessária para o bom desempenho de qualquer economia.

No entanto, algumas deficiências se fazem presentes no setor e acabam prejudicando o escoamento das safras. Estas deficiências são principalmente as condições precárias das rodovias, a baixa eficiência e falta de capacidade das ferrovias e a desorganização e excesso de burocracia dos portos, o que acaba por ter como resultado o aumento das filas de caminhões nos principais portos de exportação, longas esperas de navios para a atracação e o não cumprimento dos prazos de entrega ao mercado internacional.

Então, para sanar estes tipos de problemas existem dois meios principais, o primeiro vem por parte do Governo e que já prevê grandes melhorias e investimentos, que começaram a ocorrer este ano e para o próximo. E por meio do agendamento de cargas e descargas para evitar filas.

O Governo prevê então concessões para que as obras em estradas e melhoria dos portos e ferrovias. Então, o “PIL” (Programa de Investimentos em Logística) apresenta projetos de desenvolvimento em que os recursos previstos para investimentos em rodovias seria em torno de R$ 66,1 bilhões que seria para revitalizar e construir cerca de 4.867 quilômetros de estradas. E quanto aos portos  seria em torno de R$ 37,4 bilhões nos serviços portuários. Um total de R$ 14,8 bilhões deve ser investido em novas autorizações para 57 Terminais de Uso. E para as  ferrovias o investimento será de R$ 86,4 bilhões. Uma parcela de R$ 12,7 bilhão vai para o projeto da Norte-Sul. Outros R$ 16,4 bilhões estão previstos para concessões já existentes.

E, por fim, para que as filas sejam sanadas, não havendo perda na produção por tempos de espera, ou atrasos nas entregas propiciando um prejuízo para os produtos do agronegócio, é preciso fazer uso do agendamento de cargas e descargas. Por meio deste, as empresas logísticas conseguem organizar seus horários e ter controle da sua frota, prevendo o memento de saída e entrada da carga. Além disso, os portos já contam com sistemas automatizados de agendamento, o que tornou o trabalho menos burocrático e mais eficiente.

E, pensando nisso a Strada Soluções em Tecnologia lançou um e-Book que apresenta como o agendamento de cargas pode possibilitar melhores condições para toda a cadeia de suprimentos.

banner2

 

2015-12-11T08:35:53+00:0011/12/2015 às 08:35|Notícias|